Tag Archives: Violencia

Não quero sua piedade, quero seu remorso e seu vômito

Por Gerivaldo Neiva 

Gerivaldo Neiva - Foto: http://www.gerivaldoneiva.com/

Gerivaldo Neiva – Foto: http://www.gerivaldoneiva.com/

       Na manhã de ontem, 14/08, um jovem de 15 anos, M.S.S, foi morto com vários tiros na cabeça e sua mãe informou que tinha envolvimento com drogas. Disse, também, que residia há dois anos em outro estado e retornou quando soube que seu filho estaria envolvido com drogas, inclusive fazendo reunião familiar, na véspera, para saber se estava devendo aos traficantes.[1]

           Em minutos, seu corpo estava sendo alvo de fotos em aparelhos celulares e, em segundos, circulava em redes sociais a imagem de um corpo negro, franzino, olhos abertos, a cabeça crivada de balas e uma poça de sangue misturada com terra.

        – Era um “pombo sujo”. Envolvido com drogas. Não tinha futuro, coitado. Este é o mundo das drogas. Não tem caminho de volta. Tão jovem e já perdido na droga. É assim mesmo. Ainda vão morrer muitos. Maldita droga… – Repetiam-se os comentários.

           Nada se comenta sobre sua vida, sua história, sua infância, seus pais e irmãos, sua tragédia pessoal e familiar. Nada sobre os açoites que a vida lhe deu. O sofrimento. As noites de solidão. Sua agonia. Sua dor e sua fuga. A busca de um refúgio para suportar as feridas abertas da vida. A saudade do colo e conselhos da mãe. Sua primeira droga. O primeiro cheiro de cola, a primeira dose de cachaça, a primeira cerveja, o primeiro baseado, a primeira pedra de crack. Nada disso importa. Agora, apenas um corpo, um “pombo sujo”…

           Na tarde deste mesmo dia, assoberbado de processos para julgar, anunciam-me que M.P. quer falar comigo. Com urgência! O que será?

      Conheço M.P, desde quando era adolescente. Hoje deve ter mais de 20 anos. Quando adolescente, tinha um sorriso largo e olhos brilhantes. Furtava casas e vivia sendo preso. Cumpriu diversas medidas. Sabia apenas “desenhar o nome”. Tinha, ainda tem, forte dificuldade de aprendizagem. Sem profissão, trabalhou descarregando cargas, servente de pedreiro, bicos os mais diversos. Para aplacar a dor de sua tragédia pessoal e familiar, usou álcool, tabaco, maconha e, quando chegou no crack, não parou mais. Tornou-se maior de idade, continuou furtando para satisfazer a dependência (gaba-se de nunca ter roubado com violência ou ameaça) e nem sabe quantas vezes já foi preso. Em uma dessas, recebeu a visita íntima da namorada e dessa visita nasceu a pequena V

         Hoje, M.P. não tem mais o sorriso largo e nem o brilho nos olhos. Em contrapartida, tem o lábio queimado do cachimbo e os dedos pretos e queimados. Sua vida não vale nada. Não tem formação escolar e nem profissional. É um delinquente comum. “Ladrãozinho safado”. Para coroar sua inutilidade social, é um ex-presidiário. Penso, quando lhe cobram que trabalhe e seja “honesto”, que deveria responder: Como, senhor, se não sei ler e nem escrever e o poder público se encarregou de me “analfabetizar”? Como, senhora, se não tenho profissão e sou um ex-presidiário?

        Enquanto a foto de M.S.S. circulava por aparelhos celulares e fazia a festa no whatsapp, M.P. me confessou que tinha sofrido atentado e que seus antigos fornecedores de pedras de crack iriam lhe matar a qualquer momento. Seus olhos, pela primeira vez, eram de medo. Quanto deve? A voz saiu trêmula de uma cabeça baixa e cambaleante: “800 reais…”

         O prefeito da cidade, Francisco de Assis, estava ao meu lado e lhe ofereceu um emprego, em obra de calçamento de ruas, para começar na manhã seguinte. Mesmo sem carteira de trabalho, dá-se um jeito. Sua companheira, também assustada, ficou encarregada de avisar aos fornecedores que agora M.P. vai trabalhar e honrar seu compromisso.

         De retorno ao gabinete, enquanto a foto de M.S.S. continua ganhando o mundo, reconheço, sem pudor algum, que acabei de “enxugar” mais uma pedra de gelo e que a água continua a escorrer. Além de M.P. são dezenas de jovens, pobres e periféricos, sem escolaridade e sem profissão, dependentes de drogas para aliviar suas tragédias, que correm o risco de morte.

        Recosto a cabeça na cadeira, o peito aperta, respiro fundo para conter o choro e a raiva de não entender por que as pessoas não veem M.P. e M.S.S. a partir de suas tragédias, mas como “pombos sujos” e justificar suas mortes por isso. Por que as pessoas usam a “droga” como causa das mortes e não entendem que elas são apenas a consequência da dor de cada um? Por que insistem nesta política insana de “guerra às drogas” e não veem que é exatamente a proibição e criminalização das drogas que estão matando os meninos? Por que não entendem que não haverá, jamais, um mundo sem drogas, mas que é absolutamente viável um mundo mais justo e solidário e que neste mundo não se mata por dívidas de drogas? Por que não veem, finalmente, que é a miséria, a pobreza, a enorme desigualdade social e a falta de oportunidades que criam os tais “pombos sujos” e que a droga apenas alivia sua dor quando o mundo lhe esqueceu?

          Meus olhos marejados, confundindo imagens no teto, vê a imagem de M.S.S. morto. Seu rosto é inocente e sua boca, de forma sarcástica e vingativa, balbucia: não, não quero sua piedade ou compaixão. Não quero que lamentes por mim. Agora é tarde. Quero seu remorso por ter me abandonado, por não ter cuidado de mim, por não ter me educado, por não ter me oferecido oportunidades. Agora, quero sua agonia, sua náusea e seu vômito azedo e fedido sobre seu farto e gostoso almoço.

           * Juiz de Direito (Ba), membro da Associação Juízes para a Democracia (AJD), membro da Comissão de Direitos Humanos da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e Porta-Voz no Brasil do movimento Law Enforcement Against Prohibition (Leap-Brasil).

          Leia mais em: http://www.gerivaldoneiva.com

A violência em Salvador tem interferido diretamente no funcionamento de unidades de saúde

Homens armados invadiram nesta terça-feira (22/7) a unidade de saúde Prof. Humberto Castro Lima, no bairro de Pernambués, em Salvador, gerando pânico entre os pacientes e funcionários.

O celular de um adolescente que aguardava atendimento foi levado pelos assaltantes, que fugiram logo em seguida.

Por conta da insegurança e vulnerabilidade do local, registradas desde o mês passado, foram suspensos todos os serviços na unidade.

O assunto será tratado às 8h de quarta-feira (23), em reunião na própria unidade, com a presença do secretário municipal da saúde, José Antônio Rodrigues Alves, e representantes da Casa Militar da Prefeitura.

A violência em Salvador tem interferido diretamente no funcionamento de unidades de saúde instaladas em áreas periféricas como Lobato, Bate Coração, Alto do Cruzeiro, Alto da Teresinha e Arenoso, provocando o fechamento dos postos antes do horário previsto (17h) para preservar pela segurança de pacientes e funcionários.

Este ano, também foram registrados assaltos e arrombamentos nos postos de saúde Virgílio de Carvalho, no Dendezeiros; Ministro Alkimin, em Massaranduba; e nos CAPS instalados nos bairros do Rio Vermelho, Cajazeiras e Alto de Coutos.

As informações são do portal de noticias http://bahia.ig.com.br/

Buenos Aires tem noite violenta após perda do título

 

Depois da festa, a confusão Foto: Goal.com

A região de central de Bueno Aires vive uma noite de caos após a perda do título da Copa do Mundo. Dezenas de milhares de torcedores se reuniram próximo ao Obelisco, marco da cidade, para assistir a decisão entre Argentina e Alemanha, que terminou em 1 a 0 para os europeus.

Um grupo de pessoas destruiu um carro-link de uma emissora de televisão, outro quebrou vitrines de lojas e bancos e várias pessoas entraram em conflito umas com as outras e também com a polícia. Foram registrados saques e assaltos nas principais vias da capital.

As forças de segurança estão tendo dificuldade para agir dado ao grande número de pessoas que estavam nas ruas. Bombas de gás lacrimogênio foram usadas para dispersar os baderneiros.

Informações Goal.com